CAMARÕES e SÉRVIA EMPATAM EM 3 a 3 EM JOGO ELETRIZANTE PELO GRUPO G


Logo Agência Brasil

A Copa do Catar teve, nesta segunda (28), sua partida mais emocionante até agora. Em duelo de reviravoltas, Camarões e Sérvia empataram por 3 a 3 no Estádio Al-Janoub, em Al-Wakrah. Embora tenham proporcionado um belo espetáculo, as duas seleções respiram por aparelhos no grupo G e precisarão vencer na última rodada para conseguir avançar às oitavas de final do Mundial. Ambas somaram seu primeiro ponto na competição, enquanto Brasil e Suíça (que se enfrentam ainda hoje) já têm três.

Notícias relacionadas:

Antes mesmo de a bola rolar, uma surpresa: o goleiro André Onana, um dos principais nomes de Camarões, não estava relacionado para a partida. Segundo informações da imprensa do país, o jogador, que defende a Inter de Milão e foi titular na estreia diante da Suíça, teria sido expulso da delegação por divergências com o técnico Rigobert Song. Até o momento, não há posicionamento oficial da federação camaronesa. Epassy assumiu o posto de goleiro titular contra os sérvios.

O começo da partida foi de dificuldades para a defesa da equipe africana. Aos nove minutos, Mitrovic recebeu dentro da área, cortou para o meio e chutou na trave. Pouco depois, os zagueiros camaroneses se atrapalharam e a bola sobrou limpa para o centroavante sérvio, de cara para o gol. No entanto, o chute forte do camisa 9 foi para fora.

Pouco a pouco, Camarões se encontrou na partida, com boas investidas pelo lado direito, principalmente com Kunde. A evolução do time acabou premiada aos 28 minutos. Em cobrança de escanteio pela esquerda, N’Koulou desviou de cabeça na primeira trave e Castelletto apareceu sozinho, sem marcação, para completar para o gol sem dificuldades.

Mais à vontade depois de abrir o placar, a seleção africana seguiu explorando bastante o lado direito e quase ampliou com Kunde, aos 42. Porém, pouco depois, a partida teve a sua primeira reviravolta.

Virada relâmpago da Sérvia

Como tem sido costume nesta Copa, os acréscimos foram generosos na primeira etapa. Os seis minutos adicionados foram suficientes para a Sérvia alterar o panorama da partida antes do intervalo. Aos 46, em cobrança de falta na área, Pavlovic testou com firmeza para empatar.

Dois minutos depois, em jogada trabalhada na entrada da área, Sergej Milinkovic-Savic finalizou de esquerda e venceu Epassy, que não conseguiu segurar o chute rasteiro do adversário.

A Sérvia ainda poderia ter ampliado, mas o chute de Mitrovic, em contra-ataque em que a seleção europeia tinha vantagem numérica no campo de ataque, desviou na zaga e tirou tinta da trave esquerda defendida por Camarões.

Camarões arranca empate 

Na volta do vestiário, o roteiro do fim do primeiro tempo parecia estar apenas tendo continuidade. Aos sete minutos, a Sérvia ampliou a vantagem no placar em uma bela jogada coletiva. Após a roubada de bola no meio do campo, Mitrovic avançou, a bola passou por outros três companheiros, desmontando a defesa camaronesa, até o atacante receber de volta, já na pequena área, para marcar o terceiro gol dos sérvios.

No entanto, dois minutos depois, começava a segunda reviravolta do duelo, com uma substituição chave do técnico Song, de Camarões. A derrota significava a eliminação precoce para a seleção africana, o que motivou o comandante a trocar o volante Hongla pelo atacante Aboubakar.

O efeito não demorou para se manifestar. Depois de belas jogadas individuais, aos 17, Aboubakar diminuiu a desvantagem em um dos gols mais bonitos da Copa até agora. Ele recebeu nas costas da defesa sérvia, pela direita, deu um corte no zagueiro e encobriu o goleiro Vanja Milinkovic-Savic. No momento, ele não chegou a comemorar, porque inicialmente a jogada foi anulada pelo bandeirinha, mas posteriormente o VAR confirmou o gol.

Na jogada seguinte veio o empate. Aboubakar foi novamente lançado no limite do impedimento, pela direita, mas desta vez avançou e encontrou Choupo-Moting livre na área para empatar. 

Daí em diante, os dois times tiveram chances de vencer, mas já exaustos pela energia gasta em duas reviravoltas numa partida disputada às 13h no horário local, diminuíram o ritmo, sem alterar o placar.

Na última rodada do grupo G, Camarões e Sérvia só têm uma opção: vencer. Qualquer outro resultado representa a eliminação ainda na fase de grupos. O último compromisso de ambos será na sexta (2), às 16h (horário de Brasília): a Sérvia encara a Suíça no Estádio 974, enquanto a seleção camaronesa tem pela frente o Brasil, no Lusail.

BRASIL TENTA VENCER a SUIÇA PELA PRIMEIRA VEZ EM UMA COPA DO MUNDO


Logo Agência Brasil

São Paulo parou no dia 28 de junho de 1950, uma quarta-feira. Mais de 42 mil paulistanos rumaram para o estádio do Pacaembu, no qual a seleção brasileira comandada pelo técnico Flávio Costa enfrentaria a Suíça, um time que tinha sido humilhado pela Iugoslávia na primeira rodada da Copa, derrota de 3 a 0.

Flávio Costa treinava o Vasco, mas quis fazer média com os paulistas e mudou a seleção, incluindo a famosa linha média do São Paulo naquela partida: Ruy Campos, Bauer e Noronha. O Brasil fez 1 a 0, num lance no qual, segundo a filmagem da época indica, a bola saiu pela linha de fundo antes de Ademir (do Vasco) cruzar e Alfredo II (do Vasco) balançar as redes do goleiro suíço.

Notícias relacionadas:

A Suíça empatou a seguir numa falha do zagueiro Juvenal (do Flamengo) e do goleiro Barbosa (do Vasco). O Brasil voltou à frente do placar com uma cabeçada de Baltazar (do Corinthians) no ângulo. Mas, quando faltavam apenas dois minutos para o término da partida: “A Suíça empatou novamente. O ponta-esquerda Fatton chutou, a bola passou entre os braços de Barbosa. Saímos, ficamos todos aqui na frente do estádio, a torcida esperando o Flávio Costa. Ficamos uma hora aqui na porta. Por fim, ele saiu no carro da polícia. Não sei se queriam agredir, mas, pelo menos, queríamos falar umas boas para ele, sabe”, relembrou o aposentado Nelson Xavier, que em 1950 era um dos muitos meninos que estavam no Pacaembu naquela tarde, em entrevista ao programa Caminhos da Reportagem, da TV Brasil.

Foi apenas um tropeço. Curiosamente, outro confronto entre as duas seleções em Copas só ocorreu no Mundial da Rússia em 2018. Philippe Coutinho fez 1 a 0, em chute de fora da área, no 1º tempo. Mas, assim como em 1950, a Suíça empatou: Zuber, de cabeça, no 2º tempo. Tite colocou em campo diversos jogadores que mantém no elenco atual, como Alisson, Danilo, Thiago Silva, Casemiro, Neymar e Gabriel Jesus. De lá para cá, enquanto a CBF conservou o mesmo treinador, a Suíça apostou no novo. Trouxe Murat Yakin para o lugar do bósnio Vladimir Petkovic. Mas o time vermelho continua incomodando os grandes. Nas Eliminatórias tirou a Itália da liderança do grupo na última rodada e se classificou para a Copa diretamente, sem a necessidade de passar pela repescagem.

Nesta segunda-feira, a partir das 13 horas (horário de Brasília), o Brasil tem a terceira chance de vencer a Suíça pela primeira vez em Copas. Não é impossível vencê-los. Isso já ocorreu em três amistosos: em 1980 (Brasil 2 a 0, em Cuiabá), em 1983 (Brasil 2 a 1, em Basel) e em 2006 (Brasil 2 a 1, em Basel).

Mas há uma história curiosa. Em 1989, durante uma desastrosa excursão à Europa, a seleção comandada pelo técnico Sebastião Lazaroni já tinha perdido da Suécia (1 a 2), da Dinamarca (0 a 4) e, enfim, da Suíça (0 a 1, gol de pênalti). Essa derrota foi a gota d´água e fez com que a emissora de TV detentora dos direitos dos jogos da seleção brasileira à época desistisse de transmitir a quarta partida do Brasil (um amistoso contra o Milan, que ficou mesmo no 0 a 0).

Como já parece tradição neste mundo globalizado, a Suíça traz três jogadores naturalizados: o goleiro reserva Philipp Köhn, originalmente é alemão, o meia Xherdan Shaqiri, que nasceu no Kosovo (à época ainda parte da Iugoslávia), e o atacante Breel Embolo, que é camaronês.

Sempre que o Brasil jogar contra a Suíça será o favorito, mas a seleção europeia tem sido sempre uma pedra do sapato da equipe canarinho.

E é bom evitar decepções como a que os antigos já tiveram: “Os suíços fizeram o suficiente para a conquista de um resultado estupendo. Para os helvéticos, o empate constitui uma esplêndida vitória e, mais do que isso, o maior feito do futebol da Suíça de todos os tempos”, resumiu o Diário da Noite após o resultado imprevisível de 1950.

COPA: COM CHANCES DE CLASSIFICAÇÃO, BRASIL e SUIÇA DUELAM PELO GRUPO G


Logo Agência Brasil

Em busca do hexacampeonato na Copa do Mundo do Catar, a seleção brasileira de futebol masculino encara a Suíça, às 13h (horário de Brasília) desta segunda-feira (28), pela segunda rodada da fase de grupos. Líder do Grupo G, com três pontos, o Brasil busca a classificação antecipada às oitavas de final do Mundial, assim como a Suíça, também com três pontos, que ocupa o segundo lugar na chave devido ao saldo de gols. No mesmo grupo estão Camarões e Sérvia que ainda não pontuaram na competição. 

Notícias relacionadas:

Brasil e Suíça já empataram duas vezes em Mundiais: na primeira delas, na primeira Copa realizada no Brasil, em 1950, o placar foi de 2 a 2 no Estádio do Pacaembu, em São Paulo;  e na última edição da Copa, na Rússia, em 2018, o confronto terminou em 1 a 1. 

Na fase de grupos da Copa do Catar o escrete canarinho estreou com vitória por 2 a 0 contra a Sérvia. Em coletiva na tarde de domingo (27), Tite manteve suspense sobre quem serão os substitutos do atacante Neymar e do lateral-direito Danilo, lesionados com gravidade na última quinta (24). A expectativa é que o técnico relacione Fred no lugar de Neymar, opte por Lucas Paquetá como meia-atacante e arrisque Éder Militão na lateral-direita, posição já exercida pelo defensor do Real Madrid.

O Brasil deve enfrentar a Suíça com Alisson, Éder Militão (Daniel Alves), Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Casemiro, Lucas Paquetá e Fred (Bruno Guimarães, Rodrygo ou Everton Ribeiro); Raphinha, Richarlison e Vinícius Júnior.

Já a Suíça, comandada por Murat Yakin, deve começar jogando com o mesmo elenco que triunfou por 1 a 0 sobre a seleção de Camarões: Sommer, Widmer, Akanji, Elvedi e Ricardo Rodríguez; Freuler, Xhaka, Shaqiri, Sow e Rubén Vargas; Embolo.

CRISTIANO RONALDO TENTA LEVAR PORTUGAL AO SEGUNDO TRIUNFO NA COPA


Logo Agência Brasil

Portugal e Uruguai se enfrentam a partir das 16h (horário de Brasília) da próxima segunda-feira (28) no Estádio de Lusail. A partida é válida pela segunda rodada do Grupo H da Copa do Mundo do Catar.

Esse é um jogo importante e decisivo para as duas equipes, que brigam pela primeira posição da chave. Portugal venceu Gana na primeira rodada num emocionante 3 a 2, com Cristiano Ronaldo deixando a sua marca e fazendo história se tornando o único jogador da história a marcar em cinco edições diferentes de mundiais de seleções.

Já o Uruguai chega após um morno empate sem gols com o Coreia do Sul. A expectativa se concentra na presença, ou não, do meia Arrascaeta no 11 titular uruguaio. O jogador do Flamengo não entrou no gramado na estreia de sua equipe.

A partir das 10h terá início o outro confronto do Grupo H , entre Coreia do Sul e Gana no Estádio Cidade da Educação. As duas equipes buscam uma vitória para se manterem com possibilidades reais de classificação às oitavas.

Pelo Grupo G, o do Brasil, Camarões e Sérvia jogam a partir das 7h no Estádio Al Janoub. As duas equipes perderam na primeira rodada e precisam de um resultado positivo para continuarem sonhando com a classificação.

O Brasil entrar em campo às 13h no Estádio 974 para pegar a Suíça. As duas seleções buscam dar continuidade ao 100% de aproveitamento que possuem até o momento na competição.

* Colaboração de Pedro Dabés (estagiário) sob supervisão de Verônica Dalcanal.

COVID-19: BRASIL REGISTRA 5.197 CASOS e 11 MORTES EM 24 HORAS


Logo Agência Brasil

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde neste domingo (27) indicam que, em 24 horas, foram registrados 5.197 novos casos e 11 mortes por covid-19 no país. Desde o início da pandemia, o Brasil contabiliza 35.168.201 casos confirmados e 689.479 óbitos pela doença.

Ainda segundo o boletim, 34.186.532 pessoas se recuperaram da infecção (97,2% do total) e 292.190 pacientes estão em acompanhamento.
Estados

Notícias relacionadas:

O estado de São Paulo lidera o número de casos, com 6,1 milhões, seguido por Minas Gerais (3,9 milhões) e Paraná (2,7 milhões). Já o menor número de casos é registrado no Acre (153,6 mil), seguido de Roraima (178,5 mil) e Amapá (180,9 mil).

Os dados mostram ainda que São Paulo apresenta o maior número de mortes provocadas pela doença (176.133), seguido pelo Rio de Janeiro (76.054) e por Minas Gerais (63.943). Acre (2.029), Amapá (2.165) e Roraima (2.176) registram o menor número de óbitos.

Vacinação

De acordo com o ministério, até o momento, foram aplicadas 493 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 180 milhões com a primeira dose e 163 milhões com a segunda dose. A dose única foi aplicada em mais de 5 milhões de pessoas.

Boletim covid-19 de 27 de novembro de 2022.

FGV: CONFIANÇA DA INDUSTRIA CAI 3,6 PONTOS EM NOVEMBRO


Logo Agência Brasil

O Índice de Confiança da Indústria (ICI), divulgado hoje (28) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre) registrou queda de 3,6 pontos em novembro, chegando a 92,1 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice caiu 2,7 pontos. Segundo o economista do instituto Stéfano Pacini, este é o pior resultado desde julho de 2020.

“A confiança da indústria caiu pelo terceiro mês consecutivo e segundo de forma disseminada entre os segmentos pesquisados. Há deterioração das percepções sobre a situação atual decorrente de uma piora da demanda e consequente aumento do nível de estoques, o maior desde o período de lockdown”, disse.

Notícias relacionadas:

De acordo com ele, a perspectiva futura também está em baixa. “Além disso, observa-se uma piora das expectativas para os próximos meses, possivelmente relacionada a uma desaceleração global prevista e um cenário econômico brasileiro de incertezas para o início do próximo ano”, explicou.

Componentes

O indicador apresentou queda da confiança em 14 dos 19 segmentos industriais monitorados pela Sondagem, em novembro. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, a queda foi 9,7 pontos.

O Índice Situação Atual (ISA) caiu 4,6 pontos, para 91,8 pontos, e o Índice de Expectativas (IE) registrou queda de 2,4 pontos, indo para 92,6 pontos. Os dois estão no menor nível desde julho de 2020, “período crítico de lockdown da pandemia brasileira”, segundo o FGV Ibre, quando vigoravam as medidas restritivas de circulação devido à covid-19.

Entre os componentes do ISA, a maior influência negativa veio do indicador que mede a percepção sobre a demanda no momento, com queda de 6,6 pontos no mês, para 91,5 pontos. Também apresentou piora a percepção dos empresários em relação à situação atual dos negócios, com recuo de 4,9 pontos, para 89,7 pontos.

O nível de estoques apresentou leve piora ao subir 1,6 ponto em novembro, para 104,8. Acima de 100 pontos, esse indicador aponta que a indústria está operando com estoques acima do desejável.

Nas expectativas, a principal influência do mês foi a tendência dos negócios para os próximos seis meses. A queda de 4,5 pontos, para 87,8 pontos, mantém o indicador abaixo dos 100 pontos desde setembro de 2021.

No horizonte de três meses, as perspectivas sobre emprego caíram pela segunda vez seguida, com 2,5 pontos a menos, para 99,3 pontos. É a primeira vez em sete meses que o indicador fica abaixo dos 100 pontos, considerado o nível neutro.

Segundo o FGV Ibre, isso sinaliza uma “desaceleração das contratações nos próximos meses”. O indicador que mede as perspectivas sobre a produção para os próximos três meses ficou estável em 91,1 pontos pelo terceiro mês consecutivo.

Já o Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria (Nuci) caiu 0,9 ponto e alcançou 79,8%, mesmo patamar observado em abril deste ano.